Usiminas lamenta que Sindipa se recuse a levar proposta de redução da jornada para votação dos empregados

0
351

A Usiminas realizou hoje nessa quarta-feira, dia 3, a terceira reunião com o Sindipa – que representa os trabalhadores de Ipatinga e região – para negociação sobre a redução temporária da jornada de trabalho (1 dia por semana e redução proporcional de salário nas áreas administrativas, conforme previsto por Lei). A medida visa preservar, ao máximo, a equipe de trabalho da empresa.

Apesar de todo o esforço da Usiminas, o sindicato recusou em mesa a proposta de redução da jornada de trabalho, ao contrário de outras unidades da empresa em que as discussões estão avançando. A Usiminas lamenta a atitude do Sindipa em não levar a proposta para votação dos empregados administrativos em assembléia, uma vez que ela visa à própria preservação da equipe no atual cenário de crise econômica. Para a empresa, essa é uma decisão em que os empregados devem ser ouvidos o mais breve possível.

Diante da atual crise do setor industrial – em particular, do mercado de aço – a Usiminas está se adequando ao cenário. Segundo o Instituto Aço Brasil, a estimativa atual de queda no consumo aparente de aços planos no Brasil é de 6% frente a 2014 que, por sua vez, já havia sido um ano fraco para o setor.

Importantes setores clientes de aços planos estão operando com baixa atividade. A Associação Nacional dos Veículos Automotores (Anfavea) afirmou que a produção de veículos registrou queda de 17,5% nos quatro primeiros meses do ano, reflexo das paradas feitas por montadoras para adequarem o ritmo das linhas de montagem à queda do consumo. Já o Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda) divulgou que as vendas de aços planos caíram 16,2% no acumulado do ano, comparado com o mesmo período do ano de 2014.

Em face deste cenário econômico adverso, a Usiminas permanece trabalhando em redução de custos, com foco maior no aumento da eficiência operacional de suas linhas de produção e com o objetivo de preservar, ao máximo, seus trabalhadores. A empresa decidiu desligar temporariamente os Altos-Fornos nº 1 da Usina de Cubatão e nº 1 da Usina de Ipatinga, visando adequar a produção ao atual ritmo de demanda do mercado siderúrgico.

 

Compartilhe