Tribunais digitais, como não ser um juiz das redes sociais

1
403

Em tempos de acirramento de opiniões nas redes sociais, compreendo que uma das melhores formas de mantermos nossa saúde mental é enxergar que não somos donos da verdade, até mesmo porque não existe verdade absoluta.
Vivemos tempos onde a internet passou a concentrar dezenas de milhares de juízes, que prontificam-se a julgar todas as opiniões e sentem-se no direito de posicionar-se como o porta-voz da certeza, porém sua opinião é apenas resultado de uma bolha que está ficando cada vez maior e mais cheia de informações daqueles que pensam igual.
Devemos aprender o tempo todo com aqueles que pensam diferente e aqui está a chave da sabedoria, nessa hora o orgulho deve ficar de lado para abrirmos nossa mente com novas perspectivas, assim estaremos moldando nosso pensamento, já dizia o Einstein, a mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original.
Neste mesmo campo de pensamento, acho válido também parafrasear Raul Seixas, “eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”. Então tenhamos mais tolerância com aqueles que trazem uma verdade diferente daquela que acreditamos, antes de qualquer coisa, devemos nos respeitar enquanto indivíduos racionais que nos expressamos através de nossas opiniões, mas sejamos coerentes em nossas referências, tenhamos embasamento para emiti-las, ou essas serão meras opiniões vazias que não servirão para alimentar bolhas de sabedoria e bom senso, fazendo com que os tribunais das redes sociais estejam sempre cheios de juízes donos da razão e da verdade, preparados a todo tempo para atacar a todos que pensam de maneira diferente.

1 COMENTÁRIO

Comentários estão fechados.