Professora é presa suspeita de vender celulares para detentos em MG

0
398

Segundo PC, ela vendia celulares na penitenciária Dênio Moreira em Ipaba.
Duas professoras e um agente já haviam sido presos pelos mesmo crime.

Uma professora de 33 anos, funcionária da Pentenciária Dênio Moreira em Ipaba, no Leste de Minas, foi presa nesta quarta-feira (23) suspeita de repassar celulares aos detentos da unidade. Segundo o delegado da Polícia Civil, Célio Las Casas de Andrade, Fabiana da Silva Lima faz parte de uma organização criminosa e foi presa quando chegava ao presídio.

De acordo com o delegado, a PC deu continuidade às investigações que resultaram na prisão, no dia 2 de setembro, do tio do ex-goleiro Bruno, Marco Aurélio Rosa, de 43 anos, que era agente penitenciário há 10 anos. As professoras Jolimara Rodrigues Givisiez, de 35, e Sônia Maria Duarte Maia, de 52, também foram presas no mesmo dia.

Segundo Célio Las Casas, o modo de agir de Fabiana da Silva Lima era igual ao das outras professoras. Ela transportava os celulares para a escola que funciona dentro da penitenciária, e os presos levavam para alguns blocos onde eram revendidos.

Célio conta que os preços eram diversos. As professoras cobravam R$ 600 para cada celular e os presos revendiam por R$ 1.500 a R$ 2.500 cada. Para ele era um preço baixo, pois um celular dentro de uma penitenciária é muito caro. Devido a facilidade de entrar com os celulares na Penitenciária Dênio Moreira havia uma grande oferta e o preço era menor.

Celulares serã ocontados e repassados a justiça (Foto: Wilkson Tarres/G1)Celulares serã contados e repassados à justiça
(Foto: Wilkson Tarres/G1)

O delegado diz que a professora estava sendo monitorada há alguns dias. Célio Las Casas não descarta a participação de outros servidores no esquema criminoso, e afirma que as investigações vão continuar.

“As investigações continuam. Vários presos estão envolvidos no esquema e estamos investigando se há participação de outros servidores no esquema. Acredito que até a conclusão do inquérito podemos apurar envolvimento de outras pessoas”, diz.

O delagado informou ainda que durante o inquérito policial foram apreendidos 10 celulares. Outros aparelhors que também apreendidos na penitenciária estão serão entregues à justiça,segundo o policial.

A professora pode responder por corrupção passiva e associação criminosa. Ela presta depoimento na delegacia de Ipaba nesta quarta e será encaminhada para a penitenciária Dênio Moreira.

 

Fonte: G1

Compartilhe