Preços de imóveis comerciais nos EUA começam a incomodar o Fed

0
502

Uma década após o colapso do mercado residencial dos EUA, o banco central está de olho na construção de torres de apartamentos, temendo outra potencial bolha nos preços de ativos. Essa questão pode influenciar o debate sobre o ritmo de aumento dos juros neste ano.

A presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, afirmou que os preços dos imóveis comerciais estão “elevados”, em 19 de janeiro. Foi o mesmo recado dado por seu colega Jerome Powell, que alertou que “juros baixos podem levar à busca por rendimento”. Outro integrante do Fed, o responsável pelo escritório regional de Boston, Eric Rosengren, se revelou preocupado com os preços dos imóveis residenciais de luxo naquela cidade.

Os preços de casas para uma única família se recuperaram gradualmente do estrago causado pelo estouro dos financiamentos imobiliários. Já os preços dos imóveis comerciais (categoria que nos EUA inclui prédios de apartamentos) mostram sinais de superaquecimento em cidades como Nova York, São Francisco e Boston. Integrantes do Fed indicaram que planejam lidar com potenciais bolhas em preços de ativos usando supervisão financeira ? em vez de elevar os juros em ritmo mais rápido do que esperam atualmente. No entanto, o calor de determinados mercados está testando a paciência deles.

“É um setor importante e, portanto, precisa estar no radar”, disse Jonathan Wright, professor de economia da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, que já trabalhou como economista do Fed. “Pelo menos uns dois responsáveis por escritórios regionais veriam isso como argumento substancial para aperto da política monetária. Mas não vejo qualquer indicação de que o núcleo do comitê esteja inclinado a adotar um ritmo mais rápido de aperto.”

Na quarta-feira, o Comitê de Mercado Aberto do Fed (FOMC) reiterou planos de subir os juros gradualmente e ninguém discordou da decisão de manter a taxa básica no intervalo entre 0,5 por cento e 0,75 por cento. A projeção é de três acréscimos de 0,25 ponto percentual neste ano, segundo a estimativa mediana trimestral apresentada por integrantes do Fed em dezembro.

Os objetivos do Fed são pleno emprego e inflação em 2 por cento, mas a instituição também precisa garantir a estabilidade financeira e não deve repetir os erros da última crise, que se formou a partir do superaquecimento do mercado de propriedades residenciais.

“Eu descreveria os riscos de estabilidade financeira neste momento como moderados – portanto, não elevados, não zerados, mas moderados”, disse Yellen em 19 de janeiro.

O indicador Moody’s/RCA Commercial Property Prices, que cobre os segmentos de apartamentos, varejo, escritórios e espaço industrial, caiu 40 por cento entre o início da última recessão, em 2007, e o final de 2009. Desde então, o índice mais que dobrou e se encontra 23 por cento acima do pico do período anterior à crise.

O relatório do Fed conhecido como Livro Bege ressaltou que os mercados em geral estão saudáveis, mas citou preocupações como o mercado de aluguéis em Nova York, que “se enfraqueceu notavelmente”, acrescentando que os “aluguéis de unidades maiores diminuíram”.

“Eu continuo preocupado com o mercado de imóveis comerciais”, afirmou Rosengren em resposta a uma pergunta colocada durante uma palestra em 9 de janeiro. “Os preços de imóveis comerciais, particularmente propriedades para várias famílias, estão subindo muito rapidamente em várias partes do país.”

Segundo ele, prédios de apartamentos de luxo estão sendo construídos em toda a cidade de Boston. “São sempre propriedades muito caras”, disse Rosengren. “Varia dependendo do local no país, mas acho que certamente nós precisamos monitorar isso.”