Neymar nunca foi e nunca será um “novo” Pelé

0
333

por Nilton Ramos*

 

Quatro anos depois e a história se repete. O Paraguai elimina a Seleção Brasileira das Semifinais da Copa América nos pênaltis, depois de empatarem em 1 a 1 no tempo regulamentar.

Discutir merecimento, competência, etc. etc. na reta final do torneio é jogar conversa fora. Contudo o Paraguai passou e envergonhados os brasileiros amantes do esporte estão mais uma vez, depois daquele fiasco da Copa do Mundo, na derrota de 7 a 1 para Alemanha.

Sinceramente, há perguntas que não querem calar, desde o Mundial no Brasil. A estranha contusão do atacante Neymar Jr. que o tirou do jogo seguinte contra os alemães, e depois o mundo inteiro o viu como convidado especial no jogo que se disputava o terceiro lugar. O ‘craque’ chegou a ser fotografado com uma mochila nas costas. Estranho, para quem havia dito numa coletiva que escapou de ficar paraplégico por 2 centímetros da lesão em sua coluna, e menos de 50 dias depois, estava o ex-santista pronto para jogar pelo milionário Barcelona.

Ninguém também questionou atuação do goleiro Júlio César. Era sua última Copa. Fim da carreira pra ele.

Se lembram quem era o presidente da CBF neste período de Copa? Ele mesmo, José Maria Marin, preso pelo FBI numa mega investigação de corrupção na FIFA, principalmente nas escolhas de sedes da Copa do Mundo.

A CPI da CBF, no Senado terá a coragem de investigar os acontecimentos do Mundial no Brasil? Ou o FBI acabará apontando o dedo em direção ao Brasil?

O fato é que por estar na mira do fisco por sonegação de Imposto de Renda, Neymar Jr. definitivamente não esteve no Chile para disputar a Copa América. E não foi apenas por este motivo. Aquele que chamam de craque vinha de uma conquista muito maior, o de campeão da Champions League na final contra a Juventus, da Itália.

Vimos um Neymar desinteressado. E a ‘Depedência Neymar’ teve como consequência o vexame da eliminação para o Paraguai. Aliás, em nenhuma das partidas anteriores se viu um time que convencesse com suas vitórias, ou com o que era mostrado dentro de campo.

Uma coincidência das grandes Neymar estar no centro de mais uma eliminação brasileira depois da Copa do Mundo. Agora não foi por contusão, provocou sua expulsão pela injustificada agressão a um colega de profissão, e depois ainda levou 4 partidas de suspensão. Pronto! Era tudo que ele parecia querer: Não disputar uma Semifinal contra a Argentina do seu amigo Messi, e termos numa final, Argentina e Chile, sede da Copa América, quem sabe?

Não seria agora para Argentina ao levar a Copa América um prêmio de consolação, principalmente merecido pelo craque Leonardo Messi?

Por essas e outras que o mundo todo acompanha o escândalo que envolve a FIFA e seus dirigentes, com respingos para todos os lados, inclusive na Confederação Brasileira de Futebol.

E pior, ainda ouvir o técnico Dunga com suas entrevistas, como se tivesse no octógono a combater seus oponentes.

Não será assim que o futebol brasileiro voltará a ser respeitado e muito menos, levantar troféus pela qualidade do seu grupo. Pelo contrário, retrocedemos, e uma certeza, quem dá a bola agora, definitivamente, não é o Brasil.

Deixo as perguntas: Neymar está muito longe de ser o que Pelé foi para o futebol. Mas quem seria o técnico a não convocar o jogador do Barcelona para a Seleção? Montar um time para as Eliminatórias que não dependesse de Neymar Jr.?

Compartilhe