Visitas

0
749

Juliana Ormastroni de Carvalho Santos

Batem à porta. Vou ver quem é.  Espio.  É o medo. Chamo a consciência para consultar.  Ela me diz: “não há o que temer. Qualquer coisa que ocorrer, estaremos juntas. Vamos enfrentar.” recebo o medo , mas ele não passa da entrada. Explico-lhe a situação.  Ele vai embora.

Batem à porta.  É a esperança.  Abro-lhe um sorriso e dou-lhe um abraço afetuoso. Não preciso convidá-la.  Ela invade minha casa como o vento e ultrapassa os limites da janela.

Batem à porta: ansiedade. Pergunto lhe o porquê da sua visita.  Ela me lembra das inúmeras tarefas, compromissos,  a procrastinação e já me causa angústia com tudo isso. Digo lhe que vou me organizar,  estabelecer prioridades, deixar de lado o desnecessário.  Frente a essa decisão,  não posso fazer lhe sala. Ela segue sorrateira e promete voltar. Por minha vez,  prometo que não encontrará as coisas com atraso.  Porta que se fecha.

Batem à porta. É a fé a companheira gratidão. Passamos a tarde juntas e convido-as para morarem comigo.  Abro para elas quarto do coração. Nova alegria elas trazem para essa casa.

Esmurram a porta. Assusto-me e já vou olhar com desconfiança.  Negatividade e desesperança.  Atendo-as, elas também precisam de atenção.  Conto-hes que minhas novas moradoras não combinam com elas e, se quiserem, podem se transformar e juntar-se a nós.  Elas são resolutas: não.  Eu sou resoluta: adeus.

Batem a porta. Sou eu.  Que alegria ter me aqui!  Agora a festa está completa! Eu, fé,  esperança,  gratidão.  A festa vai até tarde: conversa sem fim, risadas, lembranças,  planos futuros. Amanhece. A luz branca da manhã coroa esse reencontro e eterniza-o. Abro a porta para receber o dia. Abro a mente para encarar a vida. Há muito trabalho pela frente: aprender a posicionar-se, agir, desconfiar de crenças,  enfrentar o medo… abro a porta para o que for favorável a tais enfrentamentos.  Porta aberta, casa limpa, mente e corpos dispostos. O dia começa. A vida recomeça com novos propósitos.  E a porta estará aberta para o que / quem decidir recomeçar comigo.