Do meu tamanho

0
137

Ela queria ser grande. Não falo da grandeza de altura, nem de dinheiro, muito menos de poder. Ela queria ter uma alma grande. Tão grande, tão grande, que quando caísse, não daria tempo de chegar ao chão.
A grandeza que ela queria era dessas que seguram qualquer ser mesmo diante da tempestade, da ventania, ou do furacão.
Sim, ela queria muito ser doce, mas não se desfazer na água, ser flexível, mas não dobrar no vento.
Fez de tudo para alcançar, trocou o coração de carne pelo de pedra, não deu. O corpo de ossos pelo de borracha, não foi. A ideia de liberdade pelo quadrado, não aguentou. O sorriso fácil para o só de horas marcadas, mais um insucesso.
Depois de tantas tentativas, resolver parar, aceitar, observar: o que quem é grande, na concepção dela, fazia? Entrevistou algumas pessoas, as respostas eram receitas de coragem, ousadia com responsabilidade, enfrentamento, amor próprio e respeito a si acima de tudo. Essas pessoas relataram que elas também tinham suas pequenezas, elas também temiam o furacão, o vento, a tempestade, mas não se intimidavam.
Ela então olhou para baixo, afanou o bichano que lhe passava entre as pernas, tão vulnerável e tão tranquilo na sua condição e vida felina. Percebeu então que grandeza é isso: viver suas condições e sua vida, aproveitar o que elas lhe dão, dar amor a quem está por perto e nunca, nunca deixar passar uma oportunidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here